sábado, 17 de dezembro de 2011

Fragmentos da Casa Vazia - 1

.

Sinto muito, mas já não sinto nada.

Aguardo apenas o fim das novenas para abandonar o meu exílio que não me exijo perpetuar. Deixarei este nevoeiro cumprir os seus dias para que os meus passos possam cumprir o seu. Há muito que o aguardo, em silêncio, que esse caminho fique livre da geada, esse silêncio que já não conta, já não faz parte dos murmúrios que o teu chão traz. Deixarei, deixarei cada objecto onde o encontrei, quando cheguei ao teu pouco passo adentro, deixarei





O que não soube deixar intacto, ainda que conte devagar os dias que faltam para esse céu se enfeitar da chuva que me abençoará, não tenciono abandonar o meu silêncio neste nevoeiro que tinge estranhamente esta forma estranha de me abandonar.

Sinto muito,

Mas o pouco que resta de mim o pouco me prende a ti, e mesmo desse pouco já quase não resta nada. Entrei no jogo que apenas sei perder, entrei nessa bússola desorientada sem querer e já quase não resta nada.

Se perguntarem por mim, diz que fugi, que morri, que parti para outro lugar, outro corpo, outra terra inteira dentro de mim, e para e por mim, porque só assim sei que continuarei a viver…


texto 2004, imagem 2011

.

3 comentários:

Helena Castelli disse...

Belíssimo, meu querido Poeta!... vou compartilhar em meu blog.

Bjs... bom fds!

© Piedade Araújo Sol disse...

geralmente gosto de tudo o que escreve.

mas, gostei muito deste texto.

um beij

OceanoAzul.Sonhos disse...

Leonardo, fiquei surpreendida com este teu espaço, gostei muito... palavras sentidas que tocam em nós.

Agradeço a tua presença no Oceano e aproveito para te desejar um Feliz Natal e um Excelente Ano Novo com muita Paz e Amor.

Beijos
cecilia