sexta-feira, 30 de março de 2012

# 26

.




«escrevo barco e uma quilha fende o vastíssimo mar
e as árvores crescem dos espaços enevoados
entre olhar e olhar movem-se
animais presos à terra com suas plumagens de ferro
e de orvalho de ouro quando a lua se eclipsa
comunicando-lhes o cio e a nómada alegria de viver

penso outono ou inverno
e o lume resinoso dos pinhais escorre sobre o rosto
sobre o corpo em tímidos gestos
eis o tempo...»

de O Medo, Al Berto

[imagem: 2012 - Minolta Dimage Z3]

.

9 comentários:

enletrasarte(Omar) disse...

imagen y prosa, geniales
saludos

Laura Rivera disse...

Me encantan esas escaleras, con esa suave luz, contrastando con las viejas texturas que marcan el paso del tiempo a través de esos escalones.
Un saludo

Richard disse...

Degraus gastos por tantas caminhadas. Eis o tempo.

Bonita poesia.

Remei disse...

Ahora es el momento de subir estas escalera amigo.
Es una fotografía preciosa, y muy bien descrita con tus palabras.
Abrazos.

Minimal disse...

Magnífica composición, me gusta mucho, felicidades.

Un saludo.

Daniela Delias disse...

Sempre venho aqui.
Lindíssimo, lindíssimo esse teu canto.
Bjo, Leo

helen disse...

Love it! So classic!

erin disse...

3 dimensions appearing flat in shade and shadow, all time, it seems.

xo
erin

Ilona Bastos disse...

Belas imagens e palavras, como num sonho, em que somos simultaneamente nós e tudo o resto - aqui e além, passado, presente e futuro...
Belo, muito belo espaço.
Uma abraço