domingo, 1 de abril de 2012

# 27

.





«Quando eu partir, quando eu partir de novo
A alma e o corpo unidos,
Num último e derradeiro esforço de criação;
Quando eu partir...
Como se um outro ser nascesse
De uma crisália prestes a morrer sobre um muro estéril,
E sem que o milagre se abrisse
As janelas da vida. . .
Então pertencer-me-ei.»

de Quando Eu Partir, Ruy Cinatti

[imagem: 2012, Minolta Dimage Z3]

.

3 comentários:

M.Flores disse...

Leonardo, gracias por quedarte en mi blog.
Maravillosas fotografías,y tus poemas intento comprenderlos, parecen melancólicos pero hermosos.
Saludos, nuevo amigo.

helen disse...

Come in....

Mel disse...

Tão lindo o poema... em perfeita sintonia com a bela foto.

Bjs