segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

# 19

.


«era um poema lateral aos sentidos.
ganhava formato ébrio
ao nem ser escrito.
longe dos pensamentos
imitava uma pedra
[aí as palavras drummondeavam].
longe das lógicas
– com tendência vagabunda –
o poema driblava lados avessos
de noites
e animais
[aqui as sílabas manoelizam, barrentas].
mas uma estrela nunca brilha
tão solitária(...)»

de “intimidar o poema a ser raiz”, Ondjaki
.

 

2 comentários:

enletrasarte(Omar) disse...

no brilla tan solitaria,
muy bueno
saludos

Eliana Mora [El] disse...

Lindas ecolhas, belíssimas imagens, sempre,,,Leonardo.

beijos e abraços
El