terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Fronteira Quase #2

.




«Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração.»

António Ramos Rosa


[imagem: 2008, Luzelos, Colmeal - trabalho retocado em Corel PhotoPaint]

.

Fronteira Quase #1

.



[imagem: 2008 [Pormenor da Capela N.S. Monforte, Bizarril], trabalho retocado em Corel PhotoPaint]

.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

167 Objectos Insignificantes - VIII

.



leitura
lei.tu.ra
sf (lat med lectura) 1 Ação ou efeito de ler. 2 Arte de ler. 3 Aquilo que se lê. 4 Tip Ato de ler provas para descobrir e corrigir os erros de composição. 5 Ato de olhar e tomar conhecimento da indicação de um instrumento de medição ou de quaisquer sinais que indiquem medidas ou aos quais se atribui alguma significação: Leitura do termómetro. 6 Dado indicado por um instrumento de medição. L. explicada: lição sobre um texto. L. expressiva: leitura em voz alta com entoações variadas. L. silábica: a de principiantes ou pessoas pouco letradas; opõe-se à leitura corrente. L. silenciosa: a que se faz mentalmente sem pronunciar as palavras.


[Fonte: Dicionário Michaelis, segundo as regras anteriores ao novo acordo ortográfico]

[imagem: 2011, Minolta Dimage Z3, B/W]

.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

The Long Voyage*

.




«Céu baixo, grosso, cinzento
e uma luz vaga pelo ar
chama-me ao gosto de estar
reduzido ao fermento
do que em mim a levedar
é este estranho tormento
de me estar tudo a contento,
em todo o meu pensamento
ser pensar a dormitar.

Mas que há para lá do sonhar?»

de Conta-Corrente 1, Vergílio Ferreira


[imagem: 2011, retoque de desfocagem em Corel PhotoPaint]

*Inspirado no titulo da canção de Hector Zazou, interpretada por Suzanne Vega e John Cale, no trabalho Chansons de Mers Froides.]

.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

[ausente em parte certa, as ruas - #4]

.




«De correr mundo as terras e os humanos
como paisagem que ante os olhos passa,
e às vezes percorrer umas e outros
nos breves intervalos entre duas viagens,
uma incerteza deixa que é diversa
da que se aprende no convívio longo:
quem se demora vê, sob as fachadas
ou as perspectivas de alta torre feitas
um gesto em que se mostra uma outra vida,
ou troca frases que desnudam crua
o que de interno ser sob as fachadas vive...»

de De Correr Mundo, Jorge de Sena


[imagem: 2009, Porto, retoque de desfocagem em Corel PhotoPaint]

.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

[ausente em parte certa, as ruas - #3]

.




«Estamos aqui. Interrogamos símbolos persistentes.
É a hora do infinito desacerto-acerto.

O vulto da nossa singularidade viaja por palavras
matéria insensível de um poder esquivo.»

de A Matéria das Palavras, Ana Hatherly



[imagem: Porto 2009, com retoques de desfocagem em Corel PhotoPaint]

.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

[ausente em parte certa, as ruas - #2]

.





[imagem: Porto, 2009, retoque de focagem em Corel PhotoPaint]

.

[ausente em parte certa, as ruas - #1]

.




«Em certos dias, nem sabemos porquê
sentimo-nos estranhamente perto
daquelas coisas que buscamos muito
e continuam, no entanto, perdidas
dentro da nossa casa.»

de As Casas, José Tolentino Mendonça


[imagem: Porto, 2009 - retoque de focagem em Corel PhotoPaint]

.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

167 Objectos Insignificantes - VII

.





«É sabido que comboios completos de pensamento atravessam instantaneamente as nossas cabeças, na forma de certos sentimentos, sem tradução para a linguagem humana, menos ainda para uma linguagem literária... porque muitos dos nossos sentimentos, quando traduzidos numa linguagem simples, parecem completamente sem sentido. Essa é a razão pela qual eles nunca chegam a entrar no mundo, no entanto toda a gente os tem.»


Fiodor Dostoievski

[imagem: Baralho de Cartas Fernando Pessoa, 02.2012, Minolta Dimage Z3, B/W]

.

167 Objectos Insignificantes - VI

.




agorafobia
A agorafobia é o comportamento de evitação provocados por lugares ou situações onde o escape seria difícil ou embaraçoso caso se tenha uma crise de pânico ou algum mal estar.
(...)
A relação entre a agorafobia e o pânico é muito próxima. Existe transtorno do pânico sem agorafobia, mas a agorafobia sem pânico é rara, havendo até mesmo quem afirme que não existe agorafobia isoladamente. De 1/3 a 1/2 dos pacientes com pânico apresentam agorafobia. As crises de pânico são bastante desagradáveis, mas não afetam o ritmo de vida como a agorafobia faz: torna os pacientes dependentes de outras pessoas para sair de casa e fazer as coisas mais elementares como comprar um pão na padaria. A agorafobia pode impedir o paciente de ir ao trabalho, ao médico, de ajudar quem dele precisa. Pode até impedir o paciente de comparecer a ocasiões especiais como o casamento do próprio filho. A agorafobia pode tanto se manifestar de forma específica ou generalizada como sair de casa. Os lugares específicos mais frequentemente atingidos pela a agorafobia são os túneis, passareles, pontes, avenidas largas ou rodovias; pode se manifestar pelo medo de multidões como nos shopping centers, restaurantes, filas, cinemas, teatros, elevadores. A limitação eventual incomoda pouco, mas quando atinge locais essenciais como autocarros, carros, metros ou comboios a vida do paciente fica bem mais comprometida. Toda essa dificuldade sempre é superada pela companhia de alguém: às vezes basta uma criança como companhia para o agorafóbico sentir-se tranquilo. Por causa da necessidade de companhia, a agorafobia interfere na dinâmica da família. Há pacientes que não toleram ficar sozinhos em casa, precisando ou exigindo a presença de alguém. Este tipo de problema provoca irritação nos parentes que quando não conhecem o problema passam a hostilizar ou ridicularizar o paciente que sofre com sua ansiedade e com a incompreensão. Quando o tratamento não é feito ou não é conhecido, o paciente realmente depende da presença de outras pessoas, e surge com isso um sentimento de culpa por estar interferindo na vida dos outros e ao mesmo tempo uma inconformidade com essa situação incontrolável é incompreensível para o próprio paciente. A impossibilidade de solucionar o problema leva o paciente a pensar em suicídio e a desenvolver um quadro depressivo.

[Fonte: Psicosite]

[imagem: 02.2012, Minolta Dimage Z3, B/W]

.

167 Objectos Insignificantes - V

.




ilusão
i.lu.são
sf (lat illusione) 1 Engano dos sentidos ou da inteligência. 2 Errada interpretação de um fato ou de uma sensação. 3 O que dura pouco. 4 Dolo, fraude. 5 Traição.


[Fonte: Dicionário Michaelis, segundo as regras anteriores ao novo acordo ortográfico]

[imagem: 02.2012, Minolta Dimage Z3, B/W]

.

167 Objectos Insignificantes - IV

.




tesoura
te.sou.ra
sf (lat tonsoria) 1 Instrumento de corte formado por duas lâminas, articuladas face a face, e que se unem no meio por um eixo, terminadas por duas aberturas onde se introduzem os dedos, que fazem mover as lâminas. 2 Peça de madeira ou ferro na parte dianteira dos carros de quatro rodas. 3 Aquilo que corta ou dilacera. 4 Qualquer coisa que apresenta a forma de uma tesoura aberta. 5 Língua viperina e maldizente. 6 pop Unhas muito grandes e aguçadas. 7 Crítico mordaz ou pessoa maldizente. 8 Constr Conjunto de peças de madeira ou ferro que sustenta a cobertura de um edifício. 9 Cruzamento das rédeas com que os cocheiros governam uma parelha de cavalos de tiro. 10 Náut Ferro arqueado cuja extremidade aguda, embebida em qualquer peça de madeira, serve para agüentar contra esta o cabo que lhe queiram ligar pelo seu comprimento. 11 Ornit Ave tiranídea (Muscivora tyrannus), cujas características são as duas longas retrizes que, durante o vôo, abrem em forma de tesoura; piranha. 12 Ornit O mesmo que alcatraz, acepção 1. 13 Zool Crustáceo marinho, decápode (Uca maracoani). 14 Entom O mesmo que lacrainha. 15 Taur Sorte de capote em que o toureiro o segura com os braços cruzados. sf pl 1 As primeiras penas da asa das aves. 2 Aspas de pau de onde se serra a madeira antes de rachá-la. 3 fam As abas de uma casaca. T.-do-brejo: o mesmo que tesoura-do-campo. T.-do-campo: ave tiranídea, cujo rabo imita a forma de uma tesoura (Gubernetes yetapa); tesoura-do-brejo. Abrir as tesouras, pop: abrir as pernas, isto é, correr, fugir. Meter a tesoura em alguém: falar mal dele. Var: tesoira.


[Fonte: Dicionário Michaelis, segundo as regras anteriores ao novo acordo ortográfico]

[imagem: 02.2012, Minolta Dimage Z3, B/W]

.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

167 Objectos Insignificantes - III

.



consertar
con.ser.tar
(lat vulg *consertare) vtd 1 Fazer um conserto, remover defeitos, substituir ou unir o que está quebrado ou rasgado; reparar; arranjar: Consertar um relógio. 2 Acrescentar, cosendo; coser, reparando; remendar com costura: Consertar um vestido. 3 Pôr em boa ordem; dar melhor disposição; ajustar: Consertou o cabelo, antes de abrir-lhe a porta. 4 Preparar, já descamado e limpo (o peixe). Cf com concertar.


[Fonte: Dicionário Michaelis, segundo as regras anteriores ao novo acordo ortográfico]

[imagem: 02.2012, Minolta Dimage Z3, B/W]

.

167 Objectos Insignificantes - II

.




temperatura
tem.pe.ra.tu.ra
sf (lat temperatura) 1 Grau de calor num corpo ou num lugar. 2 Intensidade do calor, indicada pelo termômetro; febre. 3 Estado sensível do ar, que, conforme é mais quente ou mais frio, mais seco ou mais úmido, afeta os órgãos dos sentidos corporais. 4 Situação ou estado moral; ação. 5 Autom Medida do calor registrado no óleo do motor, na água de refrigeração e no sistema de freios. T. absoluta, Fís: temperatura medida a partir do zero absoluto. T. crítica, Fís: a) temperatura na qual ocorrem alterações na estrutura cristalina dos metais; b) temperatura na qual substâncias magnéticas perdem suas propriedades magnéticas. T. de cor de uma fonte de radiação, Fís: a temperatura em que o corpo negro emite a mesma radiação que tal fonte. T. de Curie, Fís: temperatura em que uma substância perde suas características ferromagnéticas. T. superior: temperatura muito elevada. T. tripla, Fís: a temperatura de um sistema no ponto triplo.


[Fonte: Dicionário Michaelis, segundo as regras anteriores ao novo acordo ortográfico]

[imagem: 02.2012, Minolta Dimage Z3, B/W]

.

167 Objectos Insignificantes - I

.




escuridão
es.cu.ri.dão
sf (escuro+suf lat itudine) 1 Qualidade de ser escuro ou sombrio. 2 O fim do crepúsculo: Daqui a pouco é escuridão. 3 Cegueira. 4 Cegueira moral ou intelectual. 5 A morte, a sepultura. 6 Dor profunda, grande tristeza. Antôn (acepções 1 e 2): claridade.


[Fonte: Dicionário Michaelis, segundo as regras anteriores ao novo acordo ortográfico]

[imagem: 02.2012, Minolta Dimage Z3, B/W]

.

Objecto Insignificante

.




objecto
ob.jec.to
sm (lat objectu) 1 Tudo que se oferece aos nossos sentidos ou à nossa alma. 2 Coisa material: Havia na estante vários objectos. Col: bateria, trem (quando agrupados para o mesmo fim). 3 Motivo, causa. 4 Tudo que constitui a matéria de ciências ou artes. 5 Assunto, matéria. 6 Intenção, desígnio, mira. 7 Fim a que se mira ou que se tem em vista. 8 Filos Aquilo que é pensado, por oposição ao próprio ato de pensar. 9 Dir Tudo aquilo sobre que recai um direito, ou uma acção, ou obrigação. 10 Inform O conjunto de dados que constitui uma imagem ou som específicos. 11 Inform Variável utilizada, num sistema especialista, numa operação de raciocínio. 12 Inform Dado numa sentença que é para ser operado por um operador. O.-acção, Inform: objecto para o qual um usuário especifica a ação que deve ser aplicada. O. amado: pessoa amada. O. binário grande, Inform: campo no registro de uma base de dados que pode conter uma grande quantidade de dados binários, normalmente uma imagem de mapa de bits. O. da obrigação, Dir: a) a coisa, ou fato que alguém deve prestar, ou abster-se de prestar em virtude de um contrato; b) conteúdo da prestação positiva. O. de fantasia: objecto curioso, singular. O. directo, Gram: termo que completa a significação dos verbos transitivos directos. O. do direito, Dir: a coisa, ou a vantagem sobre a qual incide o direito, ou que em razão deste é obtida, ou restabelecida. O. estático, Cin e Inform: numa animação ou vídeo, objecto que não se move dentro do quadro. O. fonte, Inform: numa operação de arrastar e soltar, o objecto que é seleccionado e arrastado com o mouse. O. gráfico, Inform: pequena imagem gráfica importada de outra aplicação de desenho, e colocada numa página. O. indirecto, Gram: complemento exigido pelos verbos transitivos indirectos. Objectos de primeira necessidade: coisas sem as quais não se pode passar (alimentos, instrumentos do ofício, roupas etc.).


[fonte: Dicionário Michaelis, segundo as regras anteriores ao novo acordo ortográfico]

[imagem: 02.2012, Minolta Dimage Z3, B/W]

.